Curiosidades gerais: Parte-2

As 3 sugeridas!

Confesso que iria escrever sobre 3 curiosidades de uma coletânea das que me lembro, mas como na propaganda prévia desta postagem, 3 amigas queridas fizeram sugestões de curiosidades e aqui a intenção é responder e explicar o que é do gosto do freguês… obedeço!

question-copia

Vida após a morte, existe?

Hun! Essa questão veio de uma amiga querida que não poderia ser diferente, afinal dela eu espero sempre coisa boa e, a pergunta, é ótima. Na verdade essa pergunta é muito delicada, implica muito que quase exclusivamente (existe muito que quase?) discussões no âmbito religioso. Discussão de parâmetros da fé é algo muito delicado. Discutir algo tão ligado à crença religiosa é sempre turbulento por um motivo claro: infelizmente são poucos aqueles com fé e ‘não-fé’ que conseguem controlar a chama da inaceitabilidade diante da argumentação do próximo, acarretando muitas vezes a intolerância com o próximo… quando o respeito à divergência de opinião é perdida, deixa de existir uma discussão saudável!

respeito

Vamos ao que interessa! Já é de se esperar que para responder a essa curiosidade podemos utilizar duas vertentes: a científica e a religiosa. A vertente científica da questão buscou e busca uma resposta pelo método científico, testando e analisando empiricamente! Na vertente religiosa a coisa complica, e muito, pois apesar da pergunta ser “Existe ou não existe vida após a morte?”, é muito comum que aqueles que se colocam a responder na vertente religiosa, não se limitem ao cerne da questão, colocam-se a responder, também, “Como é a vida após a morte”, mas essa não é a pergunta a ser respondida, uma coisa de cada vez. Pode parecer piegas da minha parte dizer isso, mas se pensar bem, a pergunta é sobre a “existência ou não de vida após a morte” e não de como ela venha a ser, essa é outra pergunta. É justamente nessa resposta extensiva que ocorre o embate maior, pois as características de como a vida após a morte possa ser diverge entre as religiões e doutrinas. Se você leitor(a) tem curiosidade em saber um pouco sobre como certas religiões e doutrinas ‘pregam’ a vida após a morte, recomendo o seguinte: “Saiba como a morte é vista em diferentes religiões e doutrinas”.

morte

Com relação à vertente científica, ‘ainda’ não se conseguiu uma comprovação experimental indubitável da vida após a morte para os padrões aceitáveis pela comunidade científica. Com certeza muitas pessoas já devem ter ouvido sobre um ‘famoso’ estudo realizado por um grupo de cientistas alemães que teriam ‘realmente’ comprovado a vida após a morte. Em tal experimento, a tal equipe de cientistas alemães teriam realizado experimentos clínicos sobre a experiência de quase-morte (EQM). No suposto estudo que teria durado quatro anos, 944 voluntários foram induzidos a um estado de morte clínica por até 20 minutos e, em seguida, foram ‘ressuscitados’ com um coquetel de drogas e com o auxílio de equipamentos diversos. Tais voluntários descreveram EQM na qual teriam sofrido uma experiência fora do corpo, tendo sentido paz e testemunhando a presença de luzes brilhantes.

eqm

Esta experimentação dos cientistas alemães não passou de um artigo ficcional escrito no World News Daily Report, um site que é conhecido por postar notícias falsas em nome da sátira. O médico chefe da pesquisa citado no trabalho, Dr. Berthold Ackermann, não existe, as buscas por esse nome só retorna um artista que reside em Dallas nos EUA e um alemão que faleceu em 5 de março de 2014 aos 72 anos e que nunca trabalhou na instituição indicada como local do experimento feito. Maiores detalhes sobre esse caso da falsa experimentação comprobatória da vida após a morte você encontra em: “Cientistas alemães provaram que existe vida após a morte?”Duas leituras sobre EQMs que posso sugerir são: “Na fronteira da morte” e “NDERF”. Devo dizer que realmente existem alguns relatos de EQM que são bem surpreendentes, deixando até alguns céticos com a pulga atrás da orelha, mas isso vai de cada um, afinal desconfiar é normal!

Para os que ficaram curiosos se eu iria dar uma ‘resposta’ pela vertente religiosa, só posso dizer que a resposta na qual acredito é SIM! Tenho provas? SIM! Posso mostrá-las? NÃO! Porque não? Por que são de cunho pessoal e a aceitação da prova está relacionada à memórias pessoais e de minha crença e, se você não é espírita, muito provavelmente não a aceitaria como prova. Percebe como a vertente religiosa é delicada? Com relação a dita extensão da pergunta, caso o(a) leitor(a) amigo(a) desejar conhecer um pouco mais sobre, no âmbito da crença espírita, sugiro o seguinte vídeo:

video
Clique AQUI e veja o vídeo (27:27)

O ovo ou a galinha, a galinha ou o ovo: quem veio primeiro?

Ahhh! A clássica das clássicas questões que criança adora e que muitos adultos mandam o famoso: “Dá sossego moleque/menina”. Aqui não! Perguntou tem de responder ou dizer simplesmente que ainda não se sabe, afinal não se pode ter vergonha em não saber algo, o bom cientista deve ser humilde sempre!

chicken

Como cientista devo primeiro desvendar o cerne da questão, pois ela pode levar a mais de uma interpretação. É verdade, pode mesmo! A pergunta da querida amiga com certeza deve ser: “O ovo de galinha ou a galinha, a galinha ou o ovo de galinha: quem veio primeiro?”. Isso é diferente da possível interpretação considerando um ovo qualquer, afinal a galinha não é o único animal a colocar ovos. Também tem uma definição importante em se levar em consideração: o que define um ovo de galinha? Ser colocado por uma galinha ou dar origem a uma galinha? Xiii! Já percebeu que a coisa pode não ser tão simples e unânime.

Essa pergunta é de fato um quebra-cabeça que deixa as pessoas meio que zonzas, afinal sem conhecimento de detalhes maiores do processo da formação e surgimento das diferentes espécies viventes, tendemos a testar nossa capacidade lógica e acabamos ficando no mesmo lugar. É bem como disse a personagem Luna Lovegood da série Harry Potter: “um círculo não tem início” (Meu filho vai adorar essa citação! Ahahah, sempre Harry Potter!). Luna tem razão, tentar identificar o fator inicial de um caso circular de causa e conseqüência é meio que um exercício fútil, mas vamos lá, já que foi perguntado!

Existe uma resposta definitiva? Parece que sim, mas não acredito que seja unânime, afinal discordar é sempre um dedo difícil de evitar em tocar numa ferida! Já vou avisando, a resposta dita definitiva se relaciona à teoria da evolução das espécies, se quem pergunta não aceita de maneira alguma a teoria, a resposta não vai valer de muita coisa, afinal a teoria da evolução é uma pedra no sapato de certas crenças religiosas… complicação a vista mais uma vez, eu avisei!!

Só para não deixar de lado, pela interpretação de ‘qualquer ovo’, sem dúvida alguma o ovo veio primeiro, afinal vários animais colocam ovos e, os répteis, bem mais antigos do que as galinhas e aves, já colocavam ovos, portanto, logicamente é seguro assumir que os ovos surgiram antes do que as galinhas. Agora quanto à galinha e o ovo de galinha, vamos usar a lógica aparentemente indubitável: se uma galinha nasce de um ovo de galinha, então de onde veio esse ovo de galinha? Obviamente de outra galinha que deve ter vindo também de um ovo de galinha… percebeu o círculo? Então, qual veio primeiro? 

Um trabalho publicado em julho de 2010 na revista Angewandte Chemie intitulado “Structure control of crystal nuclei by a eggshell protein” (“Controle de estrutura de núcleo cristalino por uma proteína da casca do ovo”), relata que existe uma proteína essencial para a produção de ovos de galinha, uma tal de ovocleidin-17 (OC-17), sendo essa proteína encontrada somente em ovários de galinhas. Importante citar que as galinhas de que estamos falando são as galinhas da espécie Gallus gallus, e tal espécie apresenta 5 subespécies: Gallus gallus bankiva, Gallus gallus gallus, Gallus gallus jabouillei, Gallus gallus murghi e Gallus gallus spadiceus. A OC-17 atua como catalisador na produção do ovo de galinhas Gallus gallus, sendo praticamente essencial para o início da cristalização da casca do ovo da galinha Gallus gallus. Sem a OC-17 a produção de ovo de Gallus gallus é praticamente inviável, portanto tudo indica que a galinha Gallus gallus veio primeiro que o ovo da galinha Gallus gallus, pois sem a OC-17, somente produzida nos ovários de galinhas Gallus gallus, o ovo de galinha Gallus gallus não é produzido!

galinha

Essa conclusão, ao meu ver, só pode ser definitiva se a interpretação de o que é um ovo de galinha Gallus gallus for a seguinte: é um ovo colocado por uma galinha Gallus gallus que origina uma galinha/galo Gallus gallus. Por que essa definição do ovo de galinha Gallus gallus é importante? Você deve ter cansado de ler Gallus gallus né? Mas é preciso especificar assim, afinal o grande detalhe está em considerar que a primeira galinha Gallus gallus não se originou de um ovo de Gallus gallus, mas sim de outro tipo de galinha, e para isso é necessário sua compreensão quanto à teoria da evolução das espécies… não vou fazer isso aqui, afinal é um assunto extenso, mas caso a querida amiga que sugeriu a questão e os leitores desejarem, posso escrever uma postagem específica sobre o surgimento da galinha Gallus gallus conforme a teoria da evolução das espécies.

Fome e pobreza, tem como acabar com isso?

Olha só, devo confessar que esta postagem é realmente incrível, afinal é a discussão de três questões totalmente diferentes, uma diversidade imensa em três tópicos! Agora convenhamos, essa questão da pobreza e fome é bem incomodativa, não é não? Pois é! Esse tópico é muito triste, impactante e incomoda muito, como bem disse minha outra querida amiga que fez esse questionamento. É inclusive um assunto que quando tocado em roda de bate-papo pode fornecer pistas interessantes sobre a personalidade de uma pessoa, nesses tipos de bate-papo você pode vir a conhecer algumas características que se espera de um verdadeiro ser humano humanizado: sensibilidade, fraternidade e amor ao próximo! Sei que haverá alguns leitores que ao chegar até este ponto da leitura irão pensar: esse cara vai entrar em tópico de religiosidade mais uma vez, assim como fez nas duas questões anteriores. Não! Mesmo eu tendo uma fé religiosa doutrinária, deixo bem claro que acredito que sensibilidade, fraternidade e amor ao próximo não são características somente de quem é religioso, que tem uma fé, muito pelo contrário, essas características são potenciais de qualquer ser humano, com ou sem alguma fé religiosa doutrinária.

A questão é: tem como acabar com a fome e pobreza no mundo? Sim, claro que tem! Com métodos viáveis? Sim, com certeza! Então, qual o problema em não se conseguir acabar com essa mazela da humanidade? Essa é a questão!!

A fome é o ponto chave inicial a ser solucionado e combatido para o gradual combate à pobreza. Entenda que aqui estou falando da extrema pobreza, assim classificada quanto àqueles que ‘vivem’ miseravelmente abaixo de U$ 1/dia. No site da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), existe uma página que trata muito bem desse assunto, extensivamente explicando conceitos, histórico e diretrizes metodológicas propostas em 2002! Faz tempo, mas não é diferente do que se prega atualmente. Para os que se interessarem pelos detalhes, e não compreendem o inglês, é possível acessar a versão em espanhol (acredito ser mais fácil de entender pela semelhança com a língua portuguesa) de todo o relatório.

fome

Como bem citado no item 13 da Introdução do relatório, temos o seguinte:

13. A fome e a desnutrição generalizada em um mundo onde a comida é abundante implica que a pobreza extrema é a principal causa da desnutrição. No entanto, nem sempre se entende que a fome e a desnutrição (incluindo deficiências de micronutrientes) são elas próprias importantes causas da pobreza, já que afetam de várias maneiras (…) a capacidade dos indivíduos de escaparem da pobreza. Por exemplo:

  • Reduzindo a capacidade de desenvolver atividade física e, portanto, o potencial produtivo no trabalho daqueles que sofrem de fome – que é geralmente o seu único bem.
  • Prejudicando a capacidade das pessoas em se desenvolver física e mentalmente, retardando o crescimento infantil, reduzindo a capacidade cognitiva e inibindo seriamente a frequência e desempenho escolar, comprometendo a eficácia dos investimentos na educação.
  • Causando danos a longo prazo na saúde, vinculados a taxas mais elevadas de doença e mortes prematuras.
  • Sendo transmitida de geração em geração: mães famintas dão à luz crianças com baixo peso que começam a vida com desvantagem.
  • Contribuindo para a instabilidade social e política, enfraquecendo ainda mais a capacidade do governo em reduzir a pobreza.

Portanto, as pessoas cronicamente subnutridas são apanhadas numa armadilha da fome, com baixa produtividade, pobreza crônica e fome.

O combate à fome é fundamentalmente a chave para o que é considerado o start no combate à pobreza: capacitação pessoal para se auto-sustentar! Sugiro à querida amiga que fez a questão, e aos que aqui chegaram na leitura, que leiam as 10 Maneiras de Combater a Fome. Com a fome combatida, e as pessoas capacitadas para seguirem em frente, o combate a pobreza continuará com as 10 Maneiras de Combater a Pobreza.

A viabilidade vencer a fome e a pobreza é mais que real, a realização, entretanto, depende de outros fatores que todos sabemos: vontade, atitude, comprometimento e persistência… de ambos os lados! Como bem disse Nelson Mandela:

“A pobreza não é um acidente. Assim como a escravização e o Apartheid, a pobreza foi criada pelo homem e pode ser removida pelas ações dos seres humanos.”

nelson

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: